Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

AUDI CRIA COMBUSTÍVEL NÃO POLUENTE FEITO A PARTIR DE AR E ÁGUA

Mäyjo, 03.05.15

audi_SAPO

“E-diesel” é o nome do novo combustível que poderá vir a revolucionar a indústria do automóvel como também ditar o fim dos combustíveis fósseis. Está a ser produzido pela Audi, na Alemanha, e é feito de forma sintética a partir de hidrogénio, retirado da água, e de dióxido de carbono (CO2), extraído do ar. Além disso, é amigo do ambiente, pois não polui a atmosfera.

O novo combustível, que está a ser desenvolvido numa fábrica de Dresden, resulta de um programa experimental da Audi, fabricante automóvel do grupo Volkswagen, em parceria com a empresa de energias alternativas Sunfire, escreve o Daily Mail.

O combustível é obtido através da separação do hidrogénio e oxigénio do vapor de água. O hidrogénio é depois colocado em reactores sob alta pressão e temperatura juntamente com o dióxido de carbono – nos testes iniciais o CO2 foi fornecido através do gás natural, mas os investigadores afirmam que conseguem retirá-lo da atmosfera. O produto resultante é um líquido sintético, designado de “crude azul”, que, tal como o petróleo, pode ser refinado numa espécie de biodiesel.

“Ao desenvolvermos o e-diesel estamos a promover outro combustível baseado no CO2 que permitirá uma mobilidade de longa distância com praticamente nenhum impacto no clima. Usar CO2 como matéria-prima representa uma oportunidade não só para a indústria automóvel na Alemanha, mas também para transferir o princípio para outros sectores e países”, indica o responsável pelo desenvolvimento de produtos sustentáveis da Audi, Reiner Mangold, cita o site da marca alemã.

O maior problema do novo combustível prende-se com a quantidade de produção. A fábrica de Dresden onde o combustível está a ser desenvolvido tem apenas capacidade para produzir três mil litros nos próximos meses, daí que a sua viabilidade comercial possa ainda demorar.

Ainda assim, o próprio Governo alemão mostrou-se já agradado com o cenário que o novo combustível poderá criar. “Se conseguirmos difundir o uso de CO2 como matéria-prima, vamos fazer uma contribuição crucial para a protecção do clima e para o uso eficiente de recursos, bem como colocar em marcha os fundamentos da economia verde”, afirmou a ministra da Educação e Investigação, Johanna Wanka. A ministra teve até já o direito de abastecer o seu Audi A8 3.0 TDI com os primeiros cinco litros de e-diesel desenvolvidos pela fábrica de Dresden.

 Fotos: Audi

MACHU PICCHU VIA RECEBER 2 MILHÕES DE TURISTAS POR ANO

Mäyjo, 03.05.15

machu_a

Machu Picchu será massificada

Visto de cima

Mäyjo, 03.05.15

Dubai, United Arab Emirates.jpg

Dubai Skyscrapers

Dubai, United Arab Emirates

25°11′49.7″N 55°16′26.8″E

Os arranha-céus de Dubai sombras longas sobre a paisagem. A cidade, localizada nos Emirados Árabes Unidos, agora que completar o maior arranha-céus mais alto do que 2/3 km, 1/3 km, ou 1/4 km do que qualquer outra cidade do planeta. O Burj Khalifa, o edifício mais alto do mundo, com 829,8 metros (2.722 pés), é visível à esquerda da piscina azul no centro.

EUA: YELLOWSTONE TEM UM RESERVATÓRIO SUBTERRÂNEO DE MAGMA MAIOR DO QUE SE PENSAVA

Mäyjo, 03.05.15

yellowstone_SAPO

No coração do Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados Unidos, existe um supervulcão subterrâneo que liberta cerca de 45.000 toneladas de dióxido de carbono (CO2) por dia. Mas a câmara magmática deste vulcão não é suficientemente grande para produzir tais níveis de CO2 e há anos que os cientistas procuravam por uma fonte vulcânica alternativa.

Agora, através da monitorização das ondas sísmicas, uma equipa de geofísicos descobriu uma enorme câmara secundária a uma profundidade maior que a câmara primária. Este outro reservatório tem rocha parcialmente fundida no seu interior, em quantidade suficiente para encher o Grand Canyon 11 vezes.

Esta câmara secundária encontra-se localizada imediatamente abaixo da câmara primária, a uma profundidade entre os 19 e 45 quilómetros, sendo 4,5 vezes maior que o reservatório primário, com uma capacidade de 46.000 quilómetros cúbicos. Para descobrir este último reservatório, os investigadores da Universidade do Utah monitorizaram ondas sísmicas provenientes de 5.000 pequenos sismos, decorrentes da actividade vulcânica subterrânea. O estudo foi ainda capaz de criar uma imagem tridimensional do sistema vulcânico de Yellowstone.

Os investigadores descobriram ainda que a câmara secundária, tal como o reservatório primário, não tem rocha completamente fundida no seu interior. A câmara primária tem apenas 2% de material líquido e o conteúdo tem um alto teor de ferro e magnésio. O reservatório secundário é composto por 9% de material líquido rico em silício.

“Este reservatório de magma tem um volume 4,5 vezes maior à câmara superior e estes novos dados são cruciais para perceber a evolução do vulcanismo basáltico-riolítico e para explicar a magnitude das emissões de CO2 do solo”, lê-se no estudo, cita o Daily Mail.

Apesar da descoberta desta nova câmara, os autores do estudo asseguram que a probabilidade de erupção não aumenta – uma em 700.000 por ano. O estudo indica ainda que terá sido a câmara magmática superior a responsável por alimentar três das erupções em Yellowstone, há dois milhões, 1,2 milhões e 640.000 anos atrás.

Foto:  Dan Panaitescu / Flickr

IMPORTAÇÕES DE CARVÃO NA CHINA ESTÃO A DIMINUIR

Mäyjo, 03.05.15

smog_SAPO

As importações de carvão na China caíram para quase metade nos primeiros três meses do ano, consequência de um abrandamento da economia mas também de normas ambientais mais restritas para tentar diminuir os níveis de poluição que afectam as grandes cidades chinesas.

Os 49,07 milhões de toneladas de carvão que a China importou no primeiro trimestre representam uma diminuição de 42% face aos valores importados no período homólogo de 2014, revelaram recentemente as autoridades chinesas.

A China vai intensificar em 2015 os esforços para reduzir os níveis de poluição atmosférica e também para diminuir a intensidade energética da sua economia, que se segundo os analistas deverá crescer este ano ao ritmo mais lento dos últimos 25 anos, escreve o Guardian.

O relatório anual da comissão nacional de desenvolvimento da China, também divulgado no final do primeiro trimestre, indica que o Governo deverá implementar novas leis para reduzir o consumo de carvão, privilegiando fontes energéticas alternativas – nas quais a China tem investido fortemente nos últimos dois anos -, e apertar o controlo sobre os projectos energéticos intensivos que estão a ser desenvolvidos nas regiões mais poluídas.

Foto:  joris besseling / Creative Commons

ESPANHA: AEROPORTO QUE CUSTOU €1000 MILHÕES EM 2009 JÁ FOI ABANDONADO

Mäyjo, 03.05.15

aeroporto_a

O maior elefante branco de Espanha

OS DISCOS DE VINIL ESTÃO OUTRA VEZ NA MODA. BOM OU MAU PARA O AMBIENTE?

Mäyjo, 03.05.15

discos_SAPO

O futuro da música continua a estar no digital, mas o ressurgimento dos discos de vinil está a deixar muitos de boca aberta, incluindo a indústria e os seus fornecedores que, nos Estados Unidos, não conseguem acompanhar o aumento da procura deste formato inventado em 1948.

Segundo a Time, as vendas de discos de vinil aumentaram 52% nos Estados Unidos em 2013, para os 9,2 milhões de discos, e no Reino Unido, avança o Guardian, as vendas de Novembro passado bateram um recorde de 18 anos no mês.

Os fãs deste pedaço de plástico afirmam que o som é mais rico e limpo, mas a verdade é que a nostalgia trouxe novos consumidores para este mercado que esteve praticamente morto. O problema, agora, é a infra-estrutura antiquada. “As máquinas de fabrico de discos de vinil têm várias décadas e ninguém quer investir em novas, por isso é difícil acompanhar a procura”, revela o Smithsonion.

Nos Estados Unidos existem cerca de 16 fábricas de discos de vinil a operar a 100%, e as editoras norte-americanas procuram outras empresas que tenham deixado de produzir, de forma a avaliar as respectivas máquinas e, se possível, colocá-las a trabalhar novamente.

Hoje, as editoras esperam meses por discos encomendados quando, há algumas décadas, essas encomendas chegavam em poucas semanas. Para aumentar a produção, algumas fábricas deixam as suas máquinas a trabalhar 24 horas por dia, o que faz disparar o custo da manutenção e reparação.

E para o ambiente, o que significa o ressurgimento dos discos de vinil? Segundo a Alpha Vinyl Record Pressing, alguns ambientalistas terão celebrado o regresso do vinil, uma vez que o valor sentimental e mesmo de mercado do disco de vinil é maior do que o do CD ou DVD, ou seja, dificilmente alguém deita fora um disco de vinil, mesmo que ele esteja riscado.

Por outro lado, é fácil gravar um CD de música, o que não acontece com o vinil. A realidade da associação do disco de vinil ao ambiente, poém, não será bem assim. O Slate afirma que o formato digital reduz grandemente os custos ambientais associados à compra de música – e a banda larga ajuda tornar este processo ainda mais amigo do ambiente.

Existe ainda a questão dos padrões de compra. Ainda que a embalagem dos discos de vinil seja mais sustentável do que a dos CD – cartão em vez de caixas de polistireno – a verdade é que o disco de vinil é duas vezes mais pesado que o CD, o que impacta negativamente a utilização de combustível no seu transporte.

Por outro lado, os discos são feitos de policloreto de vinila, o PVC, um plástico altamente insustentável, responsável por grandes emissões de gases com efeito de estufa. E ainda que os fabricantes de discos de vinil falem já de experiências com bioplástico, a verdade é que estas ainda estão longe de se efectivar. Por tudo isto, o regresso do disco de vinil não será uma notícia muito agradável para o ambiente. 

 

O MELHOR DO EUROPEAN WILDLIFE PHOTOGRAPHER OF THE YEAR 2015

Mäyjo, 03.05.15

foto_1European Wildlife Photographer of the Year 2015

...

Mäyjo, 03.05.15

Desert Sunlight Solar Farm

California, USA.jpg

Desert Center, California, USA

33°49′30″N 115°23′30″W

 

O Sunlight Desert Solar Farm é uma central fotovoltaica localizada no deserto do Mojave, na Califórnia.

Cobrindo 16 quilómetros quadrados, com 8,8 milhões de módulos solares Telluride de cádmio, é a maior "fazenda" de energia solar fotovoltaica do mundo.

 

OS IMPACTOS DA POLUIÇÃO NA VIDA HUMANA E ANIMAL

Mäyjo, 03.05.15

foto_1A poluição nas suas várias formas